1/7

G1: Como começar a guardar dinheiro se você já passou dos 30?

"Quantos salários você tem guardado hoje? Quanto tempo você conseguiria sobreviver se ficasse desempregado? Essas perguntas são chaves para entender o tamanho da sua urgência para ter um planejamento financeiro melhor". Clique aqui e ouça a entrevista de Renato Meirelles ao podcast Educação Financeira, do G1, das jornalistas Karina Trevizan e Marta Cavallini.

FOLHA DE PERNAMBUCO: Os novos rumos de quem não tem conta em banco

Número de desbancarizados cresce no Brasil - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco No Brasil, 45 milhões de pessoas não possuem conta em bancos e movimentam R$ 820 bilhões com dinheiro em espécie, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva. De acordo com o recorte, essas pessoas são habituadas a receber o dinheiro em mãos, comprar fiado e negociar descontos, representando uma fatia da população que olha os bancos como lugares inacessíveis. (...) De acordo com o presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles, quem prefere pagar em dinheiro tem menos necessidade de ser bancarizado. “Nossa pesquisa mostra que 29% dos desbancarizados dizem que não ter conta em banco porque preferem usar din

O GLOBO: Os 5,5 milhões de trabalhadores de aplicativos que desafiam Previdência

Aplicativos de entrega movimentam boa parte da mão de obra no Brasil - Crédito: Miriam B./ShutterStock A informalidade é um dos principais desafios ao sistema previdenciário atual, que é financiado pelas contribuições dos segurados. O país tem hoje 11,8 milhões de trabalhadores sem carteira assinada, de acordo com o IBGE. Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva no início deste ano, estima que 5,5 milhões de brasileiros utilizam ou já utilizaram aplicativos de transporte para trabalhar. Clique aqui para ler a reportagem completa.

ESTADO DE MINAS: "As pessoas querem ter liberdade para definir seu futuro econômico", diz

Ladeira Porto Geral, que dá acesso à Rua 25 de Março, em São Paulo. Local é um dos principais centros de compras do país - Crédito - EBS/ShutterStock O executivo Renato Meirelles, presidente do Instituto de Pesquisa Locomotiva, se tornou um dos mais relevantes especialistas em mercado de consumo no país. Ele foi fundador e presidente do Data Favela e do Data Popular, em que conduziu diversos estudos sobre o comportamento do consumidor emergente brasileiro, atendendo às maiores empresas do Brasil. Em 2012, Meirelles fez parte da comissão que estudou a nova classe média brasileira, na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Considerado um dos maiores nomes em consumo e

ESTADÃO: Nove em cada dez pais são influenciados pelos filhos quando vão às compras

Eles não têm renda, conta bancária ou cartão de crédito. Mas são os grandes influenciadores na compra de supermercado. Têm até o poder de vetar marcas. É uma constatação que pode soar assustadora, quando se descobre que esse poder todo está nas mãos de crianças com até 12 anos de idade. Nove em cada dez pais admitem que são influenciados pelos filhos quando vão às compras no supermercado, e 70% reconhecem que gastam mais quando estão acompanhados deles. Os resultados fazem parte de uma pesquisa feita no início deste mês com quase 5,5 mil pais em sete regiões metropolitanas do País pelo Instituto Locomotiva em parceria com a Dotz, um dos maiores programas de fidelidade do varejo brasileiro, q

CORREIO BRAZILIENSE: Nobel de Economia chama a atenção para urgência do combate à pobreza

O prêmio Nobel de Economia agraciou os economistas Abhijit Banerjee (Índia), Esther Duflo (França) e Michael Kremer (EUA) pela “abordagem experimental da redução da pobreza global”. De acordo com o comitê da Academia Real de Ciências Econômicas da Suécia, que oferece o prêmio em memória de Alfred Nobel, o trio contribuiu de forma decisiva a políticas públicas e incentivos de combate à pobreza. Esther Duflo, além de ser a segunda mulher a ganhar o Nobel na área, assumiu o título de mais jovem economista a ser agraciada. Até então, o prêmio havia sido concedido apenas a Elinor Ostrom, em 2009. Foto: Reprodução/Correio Braziliense Renato Meirelles, CEO do Instituto Locomotiva, acredita que o re

Para oito em cada dez brasileiros, governo deveria priorizar educação

Uma pesquisa do Instituto Locomotiva mostra que a educação é prioridade para a maioria dos brasileiros: oito em cada dez (78%) acreditam que os recursos públicos deveriam ser direcionados prioritariamente para o setor. Essa percepção é confirmada pelo fato de que 66% da população também concorda que o dinheiro utilizado para educação deve ser o último a ser cortado pelo governo. Para Renato Meirelles, presidente da Locomotiva, a pesquisa demonstra como a educação é vista como um caminho para a ascensão social. "Esses e outros dados que coletamos nos últimos anos indicam que grande parte dos brasileiros concorda que estudar é uma alavanca para crescer na vida", afirma. Não à toa, é nas classe

AGÊNCIA BRASIL: País tem 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva, diz estudo

Estudo feito em conjunto pelo Instituto Locomotiva e a Semana da Acessibilidade Surda revela a existência, no Brasil, de 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva. Desse total, 2,3 milhões têm deficiência severa. A surdez atinge 54% de homens e 46% de mulheres. A predominância é na faixa de 60 anos de idade ou mais (57%). Nove por cento das pessoas com deficiência auditiva nasceram com essa condição e 91% adquiriram ao longo da vida, sendo que metade foi antes dos 50 anos. Entre os que apresentam deficiência auditiva severa, 15% já nasceram surdos. Do total pesquisado, 87% não usam aparelhos auditivos. “A deficiência auditiva é uma deficiência que se agrava com o passar dos anos. E co

JORNAL DA CULTURA: Sete em cada dez brasileiros preferem pagar em dinheiro vivo

Um volume de 71% dos brasileiros fazem compras cotidianamente usando dinheiro vivo como principal meio de pagamento, segundo uma pesquisa do Instituto Locomotiva divulgada no Jornal da Cultura, da TV Cultura. A escolha por dinheiro em espécie está relacionada com a economia doméstica: 77% dos brasileiros consideram mais fácil administrar a vida financeira durante o mês usando dinheiro, enquanto 66% afirmam que, com cédulas e moedas, conseguem mais descontos. Veja a reportagem abaixo:

BBC BRASIL: Com 'G-10 das favelas', moradores querem atrair investimentos

Os 45 milhões de desbancarizados brasileiros – a maioria das classes C, D e E – oferecem várias oportunidades para novas ideias de negócios e o surgimento de startups, como mostra essa reportagem da BBC News Brasil. Nossos dados indicam que eles movimentam R$ 820 bilhões por ano (mais do que todo o consumo de um país como o Chile, por exemplo). Esse volume de dinheiro circulando na economia informal – e nas comunidades – reflete o potencial de consumo presente nas favelas do país e o cenário de inovação que elas podem ser. Clique aqui e leia a reportagem completa.

GLOBO NEWS: Sete em cada dez brasileiros preferem pagar em dinheiro vivo

71% dos brasileiros usam dinheiro vivo como principal meio de pagamento do cotidiano, mostra pesquisa Locomotiva divulgada no canal Globo News. A preferência das pessoas se explica tanto pela facilidade que elas encontram em administrar a vida financeira com moeda corrente como a possibilidade de conseguir mais descontos. Clique na imagem e assista a reportagem completa Os usuários de dinheiro em papel estão mais presentes nas classes D e E (89%) e entre os menos escolarizados (na faixa de ensino fundamental, são 81%). Eles também estão fora do mercado de trabalho formal. Entre os desempregados, 88% optam pelo dinheiro vivo como meio de pagamento, com porcentuais parecidos entre as donas de

FOLHA DE S. PAULO: Negras movimentam R$ 704 bi por ano, mas são escanteadas pela publicidade

R$ 704 bilhões. Esse é o volume de dinheiro que as mulheres negras e pardas movimentam por ano no Brasil, segundo uma pesquisa Locomotiva publicada na Folha de S.Paulo. Apesar disso, oito em cada dez dessas brasileiras não se reconhecem nas propagandas. O valor, estimado a partir do cruzamento de dados de renda e consumo do grupo, representa cerca de 16% do consumo nacional. Mas o presidente do instituto, Renato Meirelles, afirma que elas têm um poder de decisão financeira maior que o percebido, pois muitas administram as compras do lar e influenciam nos gastos dos parentes. “As negras formam um mercado gigantesco, mas que não está no radar das empresas”, diz Meirelles. Em parte, isso ocorre

VALOR ECONÔMICO: 71% dos brasileiros preferem usar dinheiro vivo em pagamentos cotidianos

Mesmo com o crescente uso de cartões e o surgimento de novas tecnologias, para os gastos do dia a dia o dinheiro em espécie continua sendo o principal meio de pagamento. O uso é ainda mais pronunciado entre pessoas menos escolarizadas e que estão fora do mercado de trabalho. Uma pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva mostra que 71% dos entrevistados usam dinheiro vivo como principal meio de pagamento do cotidiano. Em seguida aparecem os cartões de débito (24%) e crédito (4%). Entre os que usam dinheiro de papel, 77% dizem preferi-lo porque consideram que isso torna mais fácil administrar a vida financeira. Ao mesmo tempo, 66% afirmam que conseguem mais desconto pagando em dinheiro. Os usuá

BBC BRASIL: Recessão dos pobres é mais longa que a dos ricos

Quatro em cada dez brasileiros (42%) das classes D e E estão pessimistas com a renda que possuem hoje. Esse número cai para 20% entre pessoas da classe C e para 11% entre os membros das classes A e B. Paulo Antonio da Silva, 35 anos, é um dos brasileiros que não conseguem encontrar emprego. Foto: BBC News Brasil Esses são alguns dos dados da Locomotiva que fazem parte de uma reportagem da BBC News Brasil sobre como os pobres estão sendo mais afetados pela crise econômica do que os mais ricos. "Se essas pessoas estivessem melhor inseridas na economia, o Brasil sairia com mais rapidez desse momento ruim", diz Renato Meirelles, presidente do instituto. Clique aqui e leia a reportagem completa.

EXAME: O Brasil sem banco

A pesquisa Locomotiva sobre os desbancarizados é capa da revista Exame de outubro. São 45 milhões de brasileiros sem conta em banco que, movimentando R$ 817 bilhões por ano, chamam a atenção de bancos, fintechs e varejistas. Leia a reportagem na íntegra clicando aqui. A seguir, uma prévia do texto que também já está nas bancas: O Brasil dos sem-banco A guinada na carreira administrador paulistano Guei tiro Genso é símbolo de uma transformação em curso no mercado financeiro brasileiro. Durante mais de 30 anos, ele trabalhou no Banco do Brasil, onde entrou estagiário e saiu vice-presidente de varejo no final de 2018. Desde julho, Genso é presidente da fintech PicPay. Trocou uma equipe de 100.0

TV BRASIL: Apenas 37% dos brasileiros com deficiência auditiva estão empregados

O Brasil tem 10,7 milhões de pessoas com alguma deficiência auditiva, mas apenas 37% delas estão inseridas no mercado de trabalho, mostra uma pesquisa do Instituto Locomotiva apresentada na 2ª Semana de Acessibilidade Surda (SAS), em São Paulo. Em comparação, esse número é de 58% entre a população geral, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para Renato Meirelles, presidente do instituto, a economia do país é que sofre prejuízos diante desses contrastes. "A gente vai perdendo condições de aquecer nosso desenvolvimento econômico porque muitas pessoas, como os portadores de deficiência auditiva, não estão inseridas corretamente tanto no mercado de trabalho como no

Imprensa
Cinthia Quadrado
cinthia@ilocomotiva.com.br
(11) 3881-2591 - Ramal 113
Mais recentes
Arquivo
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 Locomotiva

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter ícone social
  • slideshare
  • YouTube ícone social