1/7

AGÊNCIA BRASIL: Compras por aplicativos têm alta de 30% durante pandemia, diz pesquisa

Durante o primeiro mês de isolamento social devido à pandemia de covid-19, as compras feitas por meio de aplicativos cresceram 30%, no Brasil, de acordo com levantamento do Instituto Locomotiva, divulgado hoje (29). A alta foi significativa em dois grupos populacionais: o de pessoas com mais de 50 anos de idade e o das classes C, D e E, que, somadas, representam mais da metade dos consumidores do país. Quase metade (49%) das pessoas abordadas pelo instituto declarou que pretende ampliar as compras por aplicativos, após o fim do isolamento social. Além disso, cerca de um terço (32%) pontuou que planeja reduzir as idas a lojas físicas. A pesquisa mostra que a mudança de padrão no consumo també

ÉPOCA NEGÓCIOS: 39% dos patrões dispensaram diaristas sem pagamento durante pandemia, aponta pesquis

Desde o início da pandemia de coronavírus, 39% dos empregadores de domésticas diaristas abriram mão do serviço destas profissionais, sem entretanto manter o pagamento das diárias, indica uma pesquisa que será divulgada nesta semana. Tal percentual é ainda maior entre os entrevistados pertencentes às classes A e B - camadas da sociedade em que a renda por pessoa da família é superior ao teto de R$ 1.526 mensais que limita a classe C. Nesse grupo (A e B), o percentual de empregadores que dispensaram as diaristas sem pagamento é de 45%. A pesquisa indica ainda que 23% dos empregadores e empregadoras de diaristas e 39% dos patrões de diaristas e 48% dos de mensalistas declararam que suas funcion

EXAME: 39% dos patrões dispensaram diaristas sem manter o pagamento

Desde meados de março, quando as primeiras medidas de isolamento social começaram a ser adotadas em todo o país como forma de evitar o contágio por coronavírus, uma parcela de profissionais começou a sentir os efeitos econômicos do confinamento. É o caso das diaristas. Pesquisa divulgada esta semana mostrou que 39% dos empregadores de diaristas renunciaram ao serviço destas profissionais, sem, entretanto, manter o pagamento das diárias. O percentual é maior entre os entrevistados pertencentes às classes A e B – camadas da sociedade em que a renda por pessoa da família é superior a R$ 1.526 mensais. Nesse grupo (A e B), a taxa de empregadores que dispensaram as diaristas sem pagamento é de 45

G1: 39% dos patrões dispensaram diaristas sem pagamento durante pandemia, aponta pesquisa

Desde o início da pandemia de coronavírus, 39% dos empregadores de domésticas diaristas abriram mão do serviço destas profissionais, sem entretanto manter o pagamento das diárias, indica uma pesquisa que será divulgada nesta semana. Tal percentual é ainda maior entre os entrevistados pertencentes às classes A e B - camadas da sociedade em que a renda por pessoa da família é superior ao teto de R$ 1.526 mensais que limita a classe C. Nesse grupo (A e B), o percentual de empregadores que dispensaram as diaristas sem pagamento é de 45%. A pesquisa foi realizada pelo Instituto Locomotiva entre os dias 14 e 15 de abril. Segundo o estudo, 39% dos patrões de diaristas e 48% dos de mensalistas decla

VALOR ECONÔMICO: Crise acelera a digitalização e faz consumidor mudar hábitos

Pesquisa do Instituto Locomotiva mostra mudança de comportamento do brasileiro na hora de comprar e ainda aponta para uma tendência de digitalização da economia da baixa renda. “Esqueçam as relações de consumo do Brasil antes da covid19”, afirma Renato Meirelles, presidente do instituto. Confira a matéria completa no site do Valor Econômico, clicando aqui. Acesse a matéria publicada pelo jornal, clicando aqui.

O ESTADO DE S. PAULO: 91 milhões de brasileiros deixaram de pagar pelo menos uma conta em abril

Sem trabalhar há 40 dias, a biomédica Renata Dias acumula contas atrasadas do período: aluguel, telefone, cartão de crédito, a mensalidade da escola da filha, de 17 anos, e a sua faculdade. Ela tem um negócio na área de estética na cidade de São Paulo e não sabe quando voltará ao trabalho. “Eu, no começo, fiquei revoltada com a paralisação da economia. Mas, há um mês, meu tio de 69 anos foi dirigindo até o hospital e morreu, três dias depois, sozinho, com a covid-19. Não tenho mais coragem nem de sair no portão de casa”, afirma. Com pouco mais de um mês de isolamento social, não é só Renata que viu as despesas se acumularem, sem pagamento. Pesquisa do Instituto Locomotiva, obtida com exclu

O ESTADO DE S. PAULO: Invisíveis, 5,5 milhões de informais correm risco de perder ajuda de R$ 600

Quando o casal Viviane Santos, de 26 anos, e Adriano da Silva, de 39, soube do auxílio emergencial de R$ 600 para informais e autônomos de baixa renda por conta da pandemia do novo coronavírus, a sensação foi de alívio. “Mas, quando vimos a burocracia para conseguir o recurso, foi como se o fim do túnel ficasse mais longe”, diz Viviane. “O trabalho desde a pandemia está reduzido a zero”, conta Adriano, que é pedreiro. Sem emprego fixo e morando em uma ocupação na periferia de São Paulo, eles nunca contaram com o poder público para o básico: água, luz ou saneamento. O acesso à internet, que Viviane usaria para marcar faxinas, também é raro. “É como se a gente fosse invisível”, resumem. En

GLOBO NEWS: Pesquisa mostra adesão ao isolamento social em SP

Pesquisa do Instituto Locomotiva em parceria com a Dotz revela comportamento do brasileiro frente ao isolamento social durante a pandemia de coronavírus. Renato Meirelles, presidente do instituto, fala sobre o tema em entrevista para a GloboNews. Clique aqui para assistir a matéria completa.

JORNAL DA GLOBO: Brasileiros têm dificuldade para sacar auxílio emergencial

Levantamento do Instituto Locomotiva mostra que 77% dos brasileiros acreditam que os mais pobres serão os mais prejudicados pela pandemia. O estudo ainda aponta que, nas classes D e E, 20% das pessoas não têm conhecimento do pacote financeiro oferecido pelo governo federal. Renato Meirelles, presidente do instituto, relaciona os dados da pesquisa com as pessoas com dificuldades para sacar o auxílio emergencial. Confira a matéria completa do Jornal da Globo, clicando aqui.

BBC BRASIL: 39% dos patrões dispensaram diaristas sem pagamento durante pandemia, aponta pesquisa

Desde o início da pandemia de coronavírus, 39% dos empregadores de domésticas diaristas abriram mão do serviço destas profissionais, sem entretanto manter o pagamento das diárias, indica uma pesquisa que será divulgada nesta semana. Tal percentual é ainda maior entre os entrevistados pertencentes às classes A e B - camadas da sociedade em que a renda por pessoa da família é superior ao teto de R$ 1.526 mensais que limita a classe C. Nesse grupo (A e B), o percentual de empregadores que dispensaram as diaristas sem pagamento é de 45%. A pesquisa indica ainda que 23% dos empregadores e empregadoras de diaristas e 39% dos patrões de mensalistas afirmaram que suas funcionárias continuam trabalha

AGÊNCIA BRASIL: Com isolamento, 58% dos brasileiros deixaram de pagar alguma dívida

Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva mostra que depois de um mês do isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus, 58% dos brasileiros deixaram de pagar alguma dívida - o que representa 91,040 milhões de pessoas. Entre aqueles que têm alguma conta em atraso, a média encontrada foi de quatro contas sem pagar. A pesquisa foi feita nos dias 14 e 15 deste mês, com 1.131 pessoas de 16 anos ou mais de idade, de 72 cidades de todas as unidades da Federação. Na avaliação do presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles, a covid-19 chegou na reta final de uma das mais longas crises econômicas da história do Brasil. “Encontrou uma população sem poupança e cada vez menos

AGÊNCIA BRASIL: Metade dos brasileiros teve renda afetada pela pandemia, diz pesquisa

A crise gerada pela pandemia de coronavírus já afetou a renda de metade dos brasileiros, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva. Entre os que já sentiram os impactos no orçamento familiar, 52% têm 50 anos ou mais, 48% possuem ensino superior completo e 38% moram na Região Sudeste. A pesquisa ouviu, por telefone, 935 pessoas com 16 anos ou mais em 72 cidades do país. Veja a matéria completa, clicando aqui.

CNN: Renda e alimentação pioraram em favelas durante pandemia, diz pesquisa

Uma pesquisa do Instituto Locomotiva e do Data Favela divulgada nesta quarta-feira (8) indica que, durante o isolamento, a renda dos moradores de favelas caiu. Entre os entrevistados, 66% estão muito preocupados em perder o emprego por causa da pandemia, 84% estão preocupados em perder renda e 75% estão preocupados com a própria saúde. Um total de 90% disse ter receio sobre a saúde dos idosos em favelas e 82% dos pais temem passar a COVID-19 para os filhos. Para o levantamento, foram entrevistadas 1.808 pessoas em 269 favelas do país entre 4 e 5 de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Comparados à pesquisa anterior, realizada entre 20 e 22 de março, todos os índices apresent

O ESTADO DE S. PAULO: Novo coronavírus reduz renda de metade dos brasileiros, diz pesquisa

Com menos de 30 dias de quarentena e em meio a um cenário em que a retomada do contato social ainda parece distante, mais da metade dos brasileiros já sente no bolso os efeitos da pandemia do novo coronavírus. Pesquisa do Instituto Locomotiva, obtida com exclusividade pelo Estado, aponta que 51% das pessoas afirmam ter perdido renda e que já estão contingenciando seus gastos. Segundo a pesquisa, o impacto da crise é praticamente o mesmo entre homens e mulheres. Por faixa etária, contudo, afeta mais o bolso dos trabalhadores com 50 anos ou mais (52%), com ensino superior completo (48%) e que residem nos Estados do Sudeste (38%). A região concentra São Paulo e Rio de Janeiro, as duas capitais

VALOR ECONÔMICO: Nas favelas, 71% apoiam quarentena

Nas favelas brasileiras, 71% dos moradores apoiam a quarentena. É o que mostra pesquisa realizada pelo institutos Data Favela/Locomotiva em 269 favelas entre os dias 4 e 5 de abril. (...) Renato Meirelles, presidente do instituto, conta que 44% dos moradores declararam estar recebendo doações de alimentos, seja de amigos, parentes ou de ONGs. Para receber os produtos de alimentação e higiene, porém, 61% desses precisaram sair da comunidade para buscar esse auxílio, elevando o risco de contaminação nas favelas. A preocupação com a saúde é bastante elevada nas favelas. Dos moradores entrevistados, 75% estão muito preocupados com a própria saúde. A pesquisa mostra também que 90% dos moradores

AGÊNCIA BRASIL: Moradores de favelas relatam desabastecimento e medo de Covid-19

Cerca de 60% dos moradores de favelas não têm recursos financeiros para se sustentar por mais de uma semana, sem que precisem de auxílio ou de retornar ao trabalho, aponta pesquisa divulgada hoje (8) pelo Instituto Locomotiva, em parceria com o Data Favela. O levantamento alerta para o fato de que praticamente nenhum deles terá alimentos suficientes para um mês. Em metade dos lares, os mantimentos deverão acabar nos próximos sete dias. O instituto ouviu 1.808 pessoas, residentes de 269 favelas, no último fim de semana. Ainda de acordo com a pesquisa, oito em cada dez moradores de favelas têm precisado sair das comunidades para encontrar alimentos e itens de higiene. A necessidade de se deslo

JC1: Pesquisa revela que mais da metade dos moradores das favelas não tem renda para mais de uma sem

No JC1 desta segunda-feira (13), foi divulgada uma pesquisa realizada em 269 favelas, em que 60% dos moradores que não estão trabalhando ou contando com doações, possuem renda para se manter no máximo uma semana. O estudo também indica que quase metade destes cidadãos não tem acesso à água encanada. Segundo o Presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles, mais de 42% dos moradores das favelas já receberam ajuda de donativos de alguma forma. “Toda ajuda é bem-vinda” – afirma Florinda Rodrigues, dona de casa que mora em Heliópolis. Os números ainda mostram que 8 em cada 10 pessoas que moram em regiões periféricas precisam sair de seus bairros para comprar alimentos e produtos de higiene

CNN BRASIL: Maioria dos brasileiros tem muito medo de perder emprego, diz pesquisa

A maioria dos brasileiros já sofreu impacto na renda pessoal e tem muito medo de perder o emprego, revela pesquisa divulgada nesta segunda-feira (13) pelo Instituto Locomotiva. O levantamento entrevistou 935 pessoas em 72 cidades de todos os estados, entre os dias 3 e 5 de abril. A pesquisa foi feita com pessoas com 16 anos ou mais e que possuem acesso à internet. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. Segundo o relatório, 51% dos brasileiros acredita que a pandemia de Covid-19 ainda está no início. Grande parte deste ponto de vista veio de homens (57%) com Ensino Superior Completo (57%). Na contramão, 1% dos entrevistados não acreditam haver pandemia no Brasil, revela o estudo. Leia

Imprensa
Cinthia Quadrado
cinthia@ilocomotiva.com.br
(11) 3881-2591 - Ramal 113
Mais recentes
Arquivo
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 Locomotiva

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter ícone social
  • slideshare
  • YouTube ícone social